Nossa História

A Castelo Alimentos S.A., antiga Vinagre Castelo sucedeu a empresa Destilaria Ypiranga, fundada pelo Sr.Victorino na cidade de São Paulo, no bairro do Brás, ao lado do gasômetro.

Tendo como registro histórico o início do funcionamento em Outubro de 1905, produzindo vinagre, bebidas destiladas, groselha e licores. Ali permaneceu até meados de 1946, quando passou a ter sede própria.

Por volta de 1968, ocorreu o falecimento do Sr. Victorino, ocasião em que a empresa passou a ser administrada pelos seus familiares. Infortunamente a empresa começou a entrar em declínio passando por dificuldades e comprometendo todo o seu desempenho.

Diante do grave quadro, a empresa passou a ser objeto de interesse por parte de credores, na verdade fornecedores de matérias-primas que acreditavam tratar de um negócio de grande potencial de mercado na medida em que pudesse ser bem administrado, pois a marca Castelo já na época era bastante conhecida e valorizada.

Impossibilitado de adquirir isoladamente a marca, o Sr. Antonio Borin juntamente com os senhores Xisto Stefano Cereser, Jacyro Martinasso e Cláudio Zambon, adquiriram a marca Castelo por volta de 03 de Outubro de 1968.

Realizado o negócio, iniciou-se a construção da nova unidade fabril da empresa no bairro do Caxambu, na cidade de Jundiaí, no Estado de São Paulo. Onde passou a produzir exclusivamente o vinagre com a marca Castelo.

Passado alguns anos houve a dissolução da sociedade original.

Em 1973, os sócios remanescentes, senhores Xisto S.Cereser, Jacyro Martinasso e Cláudio Zambon passaram a administrar a nova sociedade até que em junho do mesmo ano inauguraram a nova unidade industrial com início da produção de vinagre com grande inovação, ou seja, utilização de garrafas plásticas.

Os anos se passaram com modificações constantes tanto societárias como a nível industrial, até que o ano de 1980 ficou marcado pela realização da primeira grande reforma industrial com o aumento da área construída para atendimento das necessidades da época.

Em 1982 ocorreu uma outra alteração em que a Castelo inovou através do lançamento de uma embalagem mais moderna feita de PVC.

Movida sempre em direção a modernização, mais uma vez dá mostras de sua capacidade industrial, produzindo internamente uma nova embalagem para o acondicionamento do seu vinagre, a embalagem PET. Muito mais bonita, com alto grau de transparência e bastante resistente.

Os anos se passaram e a empresa acompanhou todos os períodos de crescimento culminando com a liderança de mercado da categoria que é mantida até os dias atuais.

Como decorrência do sucesso da Castelo, a sua evolução passa a ser pautada com o lançamento de novos produtos que acompanham os anseios e necessidades de seus tradicionais consumidores. Assim, a Castelo hoje é considerada uma das mais importantes indústrias de alimentos, comercializando além do seu tradicional Vinagre de Vinho Clássico, os Vinagres Balsâmicos, Molhos para Salada, Conservas e uma gama de condimentos e temperos largamente consumidos.

Nasce a Castelo Alimentos

A Castelo Alimentos começou a se transformar em uma empresa de industrialização, comercialização e distribuição de produtos alimentícios, com um novo foco estratégico. Passou a ter como missão “tornar a sua receita mais saborosa, oferecendo complementos para salada, molhos e temperos”, o que resume o pensamento da Castelo Alimentos.

A estratégia da empresa, ao lançar a nova linha, foi a de incorporar produtos com maior valor agregado e compatíveis com a linha de vinagres tradicionalmente utilizada pelos consumidores de todas as classes sócio-econômicas.  Assim, o primeiro passo foi criar uma linha de conservas. Iniciando com o palmito, em 1996, e ampliada com as azeitonas, no ano seguinte. Em setembro de 1999, é lançado o vinagre de arroz, item indispensável na culinária japonesa. No ano 2000, é lançada uma linha de temperos: tempero completo; tempero sem pimenta; tempero alho e sal; molho de soja tipo Shoyu, molho de alho, molho inglês, molho de pimenta, “ketchup” e mostarda. Na sequência, é lançado o azeite, importado de Portugal e, também é ampliada a linha de conservas com o lançamento de três novos itens: o champignon, o picles e a cebolinha.
No ano 2000, momento em que a empresa estava no auge do seu desenvolvimento, mais uma vez é surpreendida com o falecimento repentino de seu presidente, Xisto S. Cereser, um símbolo da Castelo e um dos responsáveis diretos pela transformação da fábrica nos últimos anos.

A Castelo, no entanto, continua em sua trajetória de sucesso. Em 2001, dá continuidade aos projetos de lançamento de novos produtos em nível nacional. Lança o primeiro vinagre balsâmico totalmente produzido no Brasil.

Como prova de sua inovação, a empresa lança em maio de 2002, a linha de molhos para salada  seguindo uma tendência latente de utilização de novos itens de temperos para variadas receitas. A empresa aposta muito nessa categoria de produtos, que oferece ao consumidor maior praticidade em seu dia-a-dia, pela dificuldade de reunir todos os ingredientes para o tempero da salada em um só produto. Neste nicho de mercado, em franco desenvolvimento, a Castelo procura solidificar ainda mais sua posição, acreditando na força da marca, por ter uma grande vocação no segmento de condimentos e temperos e por ser uma das mais importantes empresas atuando no setor. Ainda em 2002, é lançado o inédito “Vinagre de Álcool com Aroma de Hortelã”, perfeito para tornar os pratos mais exóticos e muito utilizado na cozinha árabe.

No final de 2004, a linha de conservas é ampliada com o lançamento de extrato de tomate nas embalagens copo e lata, além do milho verde e da ervilha, ambos enlatados.

No mês de fevereiro de 2005, é lançada a linha de molhos para salada na versão “light”, sabores “italian” e iogurte em maio, deste mesmo ano, é incorporado à linha o sabor limão “light”, buscando sempre oferecer produtos com baixo teor de calorias.

A categoria de vinagres, todavia, não é esquecida, uma vez que é a alma da Castelo Alimentos. Objetivando um maior desenvolvimento e participação do mercado de “Food Service” foi lançada uma Linha de Vinagres de Mesa, composta das variações clássico tinto, branco e maçã.

Vislumbrando uma maior participação no segmento de mercado industrial, a Castelo coloca à disposição do mercado uma linha de vinagres, em embalagens especiais de 5 e 20 litros. Para as grandes indústrias, como Unilever Best Foods, Sakura, Júnior Alimentos, Bimbo, Kraft Foods, Bunge Alimentos, Cargill, Quero Alimentos, entre outras, comercializa o vinagre a granel fornecido por meio de caminhões tanques. Dessa forma, participa de toda a cadeia de comercialização e industrialização.

Inovando ainda mais e com absoluta exclusividade, a Castelo passa a produzir e comercializar no mercado brasileiro a linha de vinagres balsâmicos frutados com a marca Castelo Fruttati, com azeite extra-virgem, framboesa e maracujá.

Em 2010 complementa seu portfólio de produtos com o lançamento do Azeite Extra Virgem em embalagem de vidro e Azeite de Oliva 100% Puro em embalagem de lata, ambos disponíveis com conteúdo de 500ml. Lança também a categoria de temperos em pó, palmito picado e o vinagre de álcool com alho, produtos estes sempre alinhados com a tendência mundial de consumo, procurando desenvolver produtos mais práticos que trazem maior conveniência, sabor e prazer aos consumidores.

De olho nos consumidores que apreciam a gastronomia com sabores mais acentuados, em 2011 a Castelo lança o molho de pimenta extra forte, uma combinação perfeita das pimentas malagueta e jalapeño. Uma outra novidade é o lançamento do Molho Balsâmico Cremoso, produto sofisticado e prático muito utilizado na finalização de pratos por ter a consistência cremosa, permitindo a decoração das receitas, além do reposicionamento dos vinagres de mesa em embalagens mais modernas e em 500ml.

A produção atual da Castelo Alimentos atinge a casa dos 70 milhões de litros de vinagre por ano, pouco mais de um terço de todo o mercado nacional de vinagre, o que mantém no topo do ranking nacional, sendo esta liderança fruto de muito esforço e de bastante competência.